fbpx
Tempo de Leitura: 6 minutos

Arquétipos de marca: conheça a estratégia que fortalece sua marca no mercado

Você já ouviu falar em arquétipos? Se sim, sabia que essa teoria pode ser aplicada em uma marca? 

Os arquétipos de marca são uma ótima ferramenta para analisar a personalidade de uma empresa e criar estratégias para fortalecer seu posicionamento no mercado. 

Ao fazer uma análise do comportamento de uma marca e em qual arquétipo ela se enquadra é possível perceber como ela é capaz de influenciar a construção do consciente coletivo do público com quem se relaciona e para quem comunica. 

Os arquétipos de marca são uma ótima ferramenta para fazer com que as marcas alcancem aquilo que mais desejam, a relevância

Continue a leitura para saber de onde surgiu essa teoria, como ela funciona na prática e conheça 12 exemplos de arquétipos que se encaixam em marcas bem conhecidas.

Mas afinal, de onde surgiu a teoria dos arquétipos?

O famoso psiquiatra suíço Carl Gustav Jung desenvolveu o conceito de arquétipos em sua teoria sobre a psique humana, no século 20.

Ele revelou que em nosso subconsciente possuímos personagens míticos – arquétipos – com diversas características que formam nossa personalidade. 

Em sua teoria, Jung aponta que os arquétipos representam as motivações humanas como valores, crenças, premissas e traços da personalidade, e que eles são responsáveis pelas emoções e conexões entre indivíduos. 

Para que servem os arquétipos de marca?

Esse conceito foi levado para o mundo dos negócios e marketing pelas autoras Carol Pearson e Margaret Mark no livro “O Herói e o Fora da Lei”.

Nele, as autoras utilizam os arquétipos de Jung na construção da marca, com o intuito de fortalecer o branding e direcionar melhor a comunicação, gerando humanidade e identificação com o público-alvo. 

O consumo está cada vez mais ligado à experiência. Gerar conexão real e profunda com o consumidor do produto/serviço que oferece é essencial para as marcas que buscam se destacar e fazer parte da vida do seu público.

Para isso, Pearson e Mark trazem doze arquétipos de marca para ajudar no processo de branding. 

Com o arquétipo definido, é possível traçar melhores estratégias para gerar conexão com o público, por meio do storytelling.

O marketing digital e a assessoria de imprensa são ferramentas eficazes e necessárias no processo de comunicar essa personalidade. 

Os 12 arquétipos de marca

O Herói

Dinâmico, ágil e forte, o herói está sempre em busca de superação. 

Com o objetivo de vencer suas vulnerabilidades com coragem e dedicação, esse arquétipo quer causar um impacto positivo. 

O inocente

Acredita que as coisas podem ser melhores. Transparência, bondade e simplicidade são características desse arquétipo. 

Muitas vezes utiliza da nostalgia para gerar conexão. Mantém sempre uma atitude positiva, autêntica e real. 

O explorador

Está sempre em busca de novas experiências para alcançar liberdade e plenitude. 

Esse arquétipo costuma ser inquieto e ambicioso. Gostam de desafios e apresentam soluções inovadoras na hora de gerar conexão. 

O Sábio

Compartilham conhecimento e insights na busca pela evolução. São vistos como fontes confiáveis de informação, que incentivam o pensar. 

As marcas que utilizam esse arquétipo costumam ser vistas como especialistas a serem seguidas.

O Cara Comum 

Ao contrário da maioria, o arquétipo do cara comum não busca destaque, mas pertencimento. Seu foco está na praticidade e a conexão acontece pela fidelidade. 

O Comediante

Bem humorado, esse arquétipo tem como características a irreverência e a diversão. Inspiram os outros a aproveitarem o momento com leveza e alegria. 

O humor é sua principal ferramenta de conexão. 

O Cuidador

Com mensagens positivas e maternais promovem o cuidado do público com quem se conecta. 

Normalmente esse arquétipo está relacionado a marcas que promovam saúde e bem-estar.

Carinho, afeto, proteção, generosidade são características desse arquétipo.

O Criador

É aquele que dá vida a novas ideias e projetos. Criativo e inventivo está sempre em busca de promover a transformação. São imaginativos, eficazes e perfeccionistas. 

Estão em busca de ajudar seu público a executar suas ideias criativas.

O Mago

O arquétipo do mago está envolto em mistério e transformação. 

Seu objetivo é tornar os sonhos realidade como se fosse magia, sem revelar muito sobre o processo. 

O Amante

Ousado e envolvente, o arquétipo do amante utiliza sensualidade e romantismo para se relacionar com seu público. Valoriza o que é belo e gera apreciação. 

O Governante

Liderança, responsabilidade e organização são características do arquétipo do governante. 

O objetivo dele é garantir estabilidade e segurança por meio da ordem para promover a prosperidade. 

O Fora da Lei

Esse arquétipo gosta de quebrar regras para chamar a atenção com soluções inovadoras e disruptivas. 

A rebeldia é uma de suas principais características e a raiva é um sentimento que os motiva. 

Uma marca pode ter mais de um arquétipo?

A resposta é sim. O indicado é que a marca tenha um arquétipo dominante e um secundário responsável pelo diferencial da marca. 

Dessa forma, o dominante atende a necessidade mais urgente de seu público e o secundário traz uma motivação a mais, criando um desejo extra na conexão. 

E aí, já conseguiu definir quais os arquétipos que se encaixam no seu branding? 

Compartilhe esse post